terça-feira, 17 de abril de 2018

. deixa! .

deixa-me te amar sem pressa, 
sem ânsia por amanhãs, 
sem desejos mirabolantes ou esperas pelo fim.

te escrever sobre os avessos, 
te abrir minhas imperfeições, 
te olhar nos olhos ao mesmo tempo em que falas sobre incertezas e inspirações.

te roubar flores enquanto ainda for manhã. 
te roubar sorrisos enquanto ainda "somos cedo demais".

te escrever poemas. 
te ler poemas. 
te transformar inteiro em verso para n-u-n-c-a-m-a-i-s esquecer.

e dançar contigo na chuva, 
sem promessas pelo eterno, 
sem medos absurdos, 
sem cravar raízes no chão.

e rir de tudo. 
e rir pro tempo. 
e rir da gente. 
e ser feliz, 
de um jeito simples, 
de transformar domingos em entardecer.

e saber que é mesmo você, 
até que entendas todo o porquê desse encontro. 
e ter certeza, 
e te dizer que fique,
'só por hoje'

f.i.c.a.n.d.o.

entre gerúndios, jasmins e asas.
não desejar partir.
fazer do meu chão tua casa.

a.b.r.i.g.o.

pouso em descanso,
pra construir teto nas nuvens,
do nosso sempre ir e vir...